quarta-feira, 19 de julho de 2017

O livro "Destralhe a Sua Casa" da Paula Margarido

Gostava de escrever mais sobre os livros que leio. De fazer resumos sobre aqueles que creio terem algo para ensinar. Sinto verdadeiramente que nos podem ajudar a melhorar enquanto pessoas e a melhorar as nossas vidas. Daí ser importante falar neles.

Este ano, pela primeira vez fiz um book haul sobre os livros que li ou comprei no primeiro semestre do ano. Mas resumos mesmo, só de três. Dois sobre hygge (O Livro do Hygge - O Segredo Dinamarquês para Ser Feliz de Meik Wiking e Hygge - Ser Feliz à Dinamarquesa de Anna Skyggebjerg ), afinal este conceito está relacionado com o trazer felicidade ao nosso dia-a-dia. O outro livro, contra todas as expectativas - pois sou uma céptica, foi um livro sobre «experiências de quase morte», o  Provas da Vida Depois da Morte de Jeffrey Long, um médico oncologista e de Paul Perry. Este livro tocou-me profundamente!

Hoje resolvi finalmente trazer-te o resumo de mais um livro, desta vez sobre destralhe. Até porque pelo que me escrevem, há muitas pessoas realmente interessadas em dar este passo na sua vida. Contudo, por vezes precisam de um pouquinho de motivação. Os livros ajudam justamente nesse campo.

Escolhi escrever sobre o livro "Destralhe a Sua Casa" da Paula Margarido, porque sinto que é diferente. Não é mais do mesmo, vai muito além do destralhe.

A Paula Margarido é arquitecta, mas também frequentou um curso de Feng Shui no Instituto Macrobiótico de Portugal, mais especificamente na Escola Nacional de Feng Shui. Daí que no livro, a autora relaciona sempre a influência das várias áreas da casa na nossa vida, nomeadamente a forma como estas áreas estão organizadas.

Devo dizer que não acredito piamente em tudo o que o feng shui diz. Não acredito propriamente que uma torneira a pingar na casa-de-banho roube a abundância. Mas muito do que é dito no feng shui faz todo o sentido, nomeadamente como uma casa com tralha, desorganizada ou demasiado sombria, afecta - por vezes, bastante - a forma como nos sentimos e como levamos a nossa vida. Está realmente provado que o ambiente onde vivemos nos influencia e a forma como a autora descreve o que devemos fazer exteriormente, para também nos sentirmos bem connosco próprios, é excelente.

Mas vamos ao resumo.

A autora dividiu o livro em 3 partes:
  1. Como destralhar a sua casa;
  2. Como limpar a sua casa;
  3. Como organizar a sua casa.
Na primeira parte, sobre destralhe, fala de coisas como: as consequências de vivermos rodeados de tralha (tem inclusive um capítulo para identificar no baguá do feng shui os efeitos da tralha na nossa vida, consoante a área da casa onde esta se encontra); os lugares onde podemos encontrar tralha na nossa casa e como nos podemos livrar dela; métodos e inclusive um plano passo a passo para nos livrarmos da tralha (tendo em conta a personalidade de cada um) e ainda um desafio para destralhar a casa em 21 dias.

Na segunda parte, sobre limpeza da casa, a autora começa por tentar motivar-nos para a tarefa - por vezes desagradável - da limpeza. Dá sugestões para cultivarmos hábitos de detox doméstico; tem uma série de receitas de produtos ecológicos - adorei esta parte - para limpar tudo e mais alguma coisa (muito à base de vinagre/sumo de limão e bicabornato de sódio); indica uma série de métodos de limpeza; dá sugestões do que podemos limpar diária, semanal, mensal, semestral ou anualmente; inclui planos de limpeza (para empregadas domésticas, para pessoas com pouco tempo); indica como podemos distribuir as limpezas ao longo do ano, quando não temos tempo para as limpezas da Primavera; como podemos limpar as várias divisões da casa e o que podemos fazer para termos uma casa mais saudável.

Na terceira parte, sobre organização da casa, são-nos dadas sugestões para simplificarmos a nossa vida, prevenindo a acumulação de objectos e rodeando-nos daquilo que mais gostamos. Há inclusive um inventário com os objectos básicos que deveríamos ter em cada divisão, para que haja funcionalidade, sem cairmos em excessos (fiquei bem contente, porque após o meu próprio destralhe, em algumas áreas tenho menos do que o sugerido). Depois fala-se de como podemos organizar, divisão a divisão. Neste capítulo, dá-nos ainda sugestões de organização, tendo em conta o sector em que cada divisão se encontra no baguá do feng shui (a ideia é que cada área influencie a nossa vida, da melhor forma possível).

A autora tem ainda ainda 4 anexos, com quadro de tarefas para a limpeza semanal, mensal, semestral e anual, onde lista uma série de tarefas que podem ser feitas em cada período (ex. no quadro de tarefas da limpeza semanal vem «mudar toalhas da casa de banho», já na limpeza semestral vem «limpeza das paredes e tectos»).

Extremamente útil este livro! E sobretudo, inspirador.

Foto: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Pensamento/Lema da semana #354


"Uma pessoa de sucesso é uma pessoa comum, 
com uma mente focada."
Autor desconhecido

.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Como deixares de te comparar com os outros


Uma olhada no facebook. Surge mais uma foto daquela amiga, ou melhor dizendo, conhecida, pois até nem te relacionas muito com ela. Aparece novamente linda, com o cabelo impecável e um corpinho que não aparenta ter sido mãe à pouco tempo. Ainda por cima mostra o seu novo carro, lindo por sinal! Espreitas outra foto, desta vez da sua casa que mais parece uma galeria de arte. Suspiras, enquanto te lembras que mal consegues manter a tua arrumada - os filhos fazem cá uma bagunça... Fechas o computador, a sentir-te miserável. Afinal mal tens tempo para ir ao cabeleireiro, quanto mais ao ginásio. Quanto ao carro, pensas, mesmo que quisesses, não terias dinheiro suficiente para o comprar.

Agora o outro lado. Até porque não conheces tão bem aquela pessoa.

Ela aparece com o cabelo impecável, porque todas as semanas opta por ir ao cabeleireiro em vez de ir ao parque, como tu costumas ir com os miúdos. Ela está com um corpinho bem bonito, mesmo tendo sido mãe, porque é acompanhada por um nutricionista e se esforça para cumprir as suas indicações. Também vai ao ginásio 3 vezes por semana, exactamente à hora em que estás a jantar com a família. A casa está sempre impecável, porque a sogra que já não trabalha, para se manter ocupada, vai dar uma mãozinha por lá. Ah! E nem toda a casa está impecável. Mas claro, o espaço que aparece na foto, obviamente está.  Quanto ao carro novo, ela só investiu o dinheiro de forma diferente da tua. Tu optaste por viajar e ir fazendo férias com a família. Ela sentiu que ter aquele carro era o seu sonho e juntou dinheiro para o comprar.

Como podes superar as comparações com os outros

Nenhuma das formas de vida acima está errada. Mas deverias interiorizar umas quantas coisas, para te sentires melhor:

  • As pessoas tendem a mostrar aos outros o melhor de si, principalmente nas redes sociais. Convenhamos, tu certamente fazes o mesmo. Dificilmente colocarias uma foto em que estás com mau aspecto ou uma imagem da divisão mais desarrumada lá de casa. Assim, este género de comparações são injustas, pois costumamos comparar o nosso pior com o melhor dos outros.

  • Todas as pessoas têm frustrações na vida. Não há vidas perfeitas! Um sorriso bonito, pode na realidade esconder uma série de problemas. A foto de uma viagem a um lugar maravilhoso, não mostra os possíveis dissabores dessas férias. Pensa! Normalmente as pessoas mostram aquilo que mais gostam em si ou nas suas vidas e ocultam o que menos as satisfaz. Certamente não colocarão uma foto da sua gaveta da tralha (optam por mostrar o que está bonito), ou não irão expor que não se dão com a sogra (escolhem mostrar o convívio com os amigos), ou que têm as pernas cheias de celulite (preferem mostrar o sorriso, quando têm os dentes quase perfeitos). 

  • O tempo e dinheiro não dá para tudo e é impossível conseguires fazer algumas coisas, sem abdicares de outras. É tudo uma questão de prioridades! Se preferes investir o teu dinheiro em viagens com a família, é uma escolha. Provavelmente essa escolha dar-te-á mais felicidade, do que comprares o carro mais giro do mundo. Lá no fundo, é o que preferes. Por outro lado, se trabalhas 8h e não tens ajudas, é normal que seja mais difícil para ti manteres a casa em ordem. Provavelmente, decidiste que preferes não ocupar todo o teu tempo livre em arrumações, pelo que se os miúdos ainda são pequenos, é natural que exista alguma desordem (não invalidando que os vás ensinado a arrumar). 


  • Sabes aquelas pessoas que reclamam de tudo e que nunca dão elogios? Não sejas assim contigo mesmo/a! É claro que há pessoas que têm vidas mais facilitadas que a tua: uma sogra que ajuda lá em casa, um ordenado maior ao fim do mês, uma genética que lhe trouxe mais beleza... Mas e aquilo que tu tens de bom? Para e enumera o que te lembrares. Pode ser um casamento feliz, um talento enorme para organizar a casa, uns filhos lindos, uns olhos bonitos, a sensação que aquilo que fazes é importante para quem te rodeia...

  • De acordo com os investigadores do Tilburg Institute for Behavioral Economics Research, existem dois tipos de inveja que surgem das comparações sociais:
a) a maliciosa - quando olhas para a vida dos outros e te parecem muito mais interessantes, fáceis e alegres que a tua. Isto leva a que te sintas infeliz, pouco auto-confiante, solitário/a e com baixa auto-estima. O pior é que a motivação melhorares algum aspecto da tua vida, vem por aí abaixo.
b) a benigna - quando optas por olhar para a vida de pessoas inspiradoras.  Pessoas que mesmo enfrentando adversidades, conseguiram alcançar os seus objectivos. Pessoas que nos ensinam lições através do que dizem ou do seu próprio exemplo.

Quando sentires que te estás a comparar negativamente com alguém, procura informação sobre pessoas que te inspiram. Isso irá motivar-te a aprenderes mais, a lutares pelos teus sonhos e, sobretudo, a seres mais feliz.


  • Compara-te a ti mesmo. Se olhares para trás, certamente vais aperceber-te que alcançaste uma série de objectivos ou que desenvolveste qualidades das quais te podes orgulhar (um curso que conseguiste tirar, a família que conseguiste construir, a sensibilidade que tens para ajudar os outros…). Esta sim, é uma comparação justa, porque na tua vida conheces todos os lados - positivos ou negativos -  de cada situação e consegues deter o controle sobre muita coisa. Por outro lado, constatares que tens capacidade para alcançar algumas metas, aumentará a tua auto-confiança.

  • Melhora a tua auto-estima. Se te sentires bem contigo mesmo/a, fica mais difícil concentrares-te tanto nos outros. Para te ajudar a aumentar a auto-estima, podes ler este post.

  • Lembra-te de que há imensas pessoas em situação pior que a tua. É chato dizer isto, mas a verdade é que por vezes, só valorizamos o que temos de bom, quando olhamos para quem está pior que nós. E nem estou a falar de situações extremas como pessoas que passam fome em África ou as vítimas da guerra na Síria. Falo de pessoas que estão bem perto de ti. Vou dar-te exemplos do que vejo à minha volta. Aquele senhor, que não consegue libertar-se do vício da bebida e que já perdeu muita coisa por causa disso: a família, a casa, o emprego. Aquele rapaz que teve um acidente de trabalho e perdeu as duas pernas (este até é um caso inspirador, pois depois do acidente formou família, arranjou outro emprego e continuou a lutar). Ou aquele homem nos seus 30 e poucos que, perdeu a mulher por um problema cardíaco que nem ela sabia que tinha. Ficou com 3 filhos para criar (hoje vive em função dos filhos e é um exemplo de pai). Por isso, pensa: que sorte em teres tanta coisa boa na tua vida!


  • Define o que é importante para ti. Será economizar para fazer uma viagem ao Gerês? Será perder 10 kg? Será conseguir uma promoção no trabalho? Será ir 3 vezes por semana com os miúdos ao parque? Se tiveres as tuas prioridades bem claras na tua cabeça, e se fizeres as tuas escolhas em função disso, torna-se mais fácil não te comparares com os outros. Sabes à partida o que queres da vida e passas a organizar os teus dias em função disso. Começas também a ter consciência de que o que observas nos outros, são por vezes prioridades diferentes das tuas.

  • Define objectivos e luta por eles. Por outras palavras, em função daquilo que é importante para ti, ou seja, das tuas prioridades, define objectivos a curto, médio e longo prazo. De seguida, escreve as tarefas que tens de ir realizando para conseguires alcançar os teus objectivos. Fazendo um pouco todos os dias, fica mais fácil alcançares os teus sonhos. E o melhor, é que mantendo a cabeça ocupada naquilo que queres, é menos provável que percas tempo em comparações com os outros. 

  • Gere melhor o teu tempo, pois isso ajudar-te-á a teres uma vida mais organizada e, consequentemente, a ter mais tempo para as tuas prioridades. Define assim as tuas prioridades e objectivos, evita procrastinar, delega o que puderes e não percas tempo com o que não interessa. Para concretizares as tuas tarefas, recorre a um bom método de gestão de tempo, o GDT por ex. (encontras explicação do método neste vídeo e neste livro). Vais ver que se sentires a tua vida a melhorar, deixa de ser tão importante concentrares-te na dos outros.


  • Não provoques tu próprio(a) comparação social negativa. Sabias que nos países mais felizes do mundo, como a Dinamarca, as pessoas não têm por hábito exibir-se? É até considerado mau gosto. Já foi inclusive demonstrado, que nas comunidades onde as pessoas se sentem mais iguais aos seus vizinhos, estas se sentem mais felizes. Sugiro por isso que não te gabes dos teus bens materiais, ou que não estejas sempre a demonstrar que és melhor que os outros (grande parte das vezes, isto até é feito sem intenção). Quanto menos comparação existir, mais feliz será a vida das pessoas. Nas redes sociais, claro que não há mal em partilhares fotos e comentários sobre a tua vida. Só não exageres. Opta por partilhar coisas úteis, que melhorem a vida de alguém: artigos que aches interessantes, citações inspiradoras, sugestões de passeios, notícias úteis, etc. 

  • Faz um detox das redes sociais. Uma equipa de pesquisa conjunta de duas faculdades alemãs, a Darmstadt Technical University e a Humboldt University, concluiu que uma em cada 3 pessoas sentiu-se pior depois de ir ao Facebook, isto porque se sentiram mais desapontados com as suas vidas. E os participantes que exploraram o Facebook passivamente (só observando, sem colocar nenhum «like»), foram os que se sentiram pior. Por isso, de tempos a tempos, faz uma pausa das redes sociais. E quando navegares, opta por seguir pessoas e páginas inspiradoras. Ah... e se vires algo que gostes realmente, toca a colocar um «like», não navegues passivamente.

  • Enquanto estás a perder tempo com comparações, não o estás a ocupar de forma mais útil, que traria mais benefícios à tua vida. Ocupa a mente com outra coisa: destralha uma área da tua casa, vai ler um livro, faz uma caminhada, faz algo pelos teus objectivos, faz alguma tarefa doméstica, passa tempo com a família... Concluindo, não percas tempo com algo que ainda por cima te faz infeliz! 

  • Para de fazer comparações em geral. Não é só nas redes sociais que nos comparamos, mas fazê-mo-lo em diversas situações do nosso quotidiano. O risco de repetires este comportamento, é que podes transformá-lo num hábito. E aí, fica mais difícil, deixar de agir assim. Por isso, sempre que te vires a comparar-te com outras pessoas, segue a estratégia anterior: realiza alguma tarefa que distraia a tua mente das comparações.


Em suma, a «comparação social negativa» pode ser um entrave na tua vida. 
Pode travar a tua evolução e fazer-te infeliz. 
Opta hoje mesmo, por fazer diferente. 
Segue estas estratégias e concentra-te na tua própria evolução 
e, claro, em seres mais feliz! 


Foto: 1.ª Pexels; 2.ª Julia Orige ; 3.ª Lannyboy89; 4.ª Annca; 5.ª shoelessRVA_photography.

.............................................................

"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

terça-feira, 11 de julho de 2017

Os Sábados "Zen" da minha infância

Estava a preparar-me para uma limpeza. Queria fazê-la embalada por sons da Natureza. Nesse momento encontrei no canal "Relaxar e Meditar", este vídeo:


A imagem, os sons... tudo tão parecido com os Sábados da minha infância. Um tempo em que desconhecia a existência de meditação, técnicas de relaxamento ou afins... mas que sem saber, as praticava (à minha maneira).

Vivia numa aldeia bem próxima da cidade. Tinha o melhor dos dois mundos.

Os meus pais, como outros habitantes da terra, tinham uma horta para cuidar. E era ali que passávamos os Sábados. Dos melhores da minha vida.

Percorríamos os caminhos da floresta até encontrar uma ponte. Levávamos connosco o meu animal de estimação (não, não era cão nem gato, mas um cordeirinho). Depois enveredávamos por um caminho mais estreito, rodeado de grandes árvores. Começávamos a ouvir aquele som. Som das águas, das cascatas lindíssimas. Sons de pássaros e da brisa do vento. Parecia que entrávamos numa espécie de esconderijo, que entretanto se tornava espaçoso. Encontrávamos uma imagem muito semelhante à deste vídeo. Aquelas cascatas de água eram lindíssimas!...

E todo o dia era passado em comunhão com a Natureza! A respirar aquele ar puro e a relaxar com aqueles sons.

Ia brincar na água em botas de borrachas. Passeava nos campos de flores da minha mãe e ia andar no baloiço de madeira feito pelo meu pai - atenta ao som dos passarinhos. Fazia bolos de terra enfeitados com malmequeres ou construía um castelo e respectivo reino com o meu primo (a horta dos pais dele ficava ao lado da nossa). Fazíamos piquenique à hora de almoço e comíamos fruta fresca deliciosa, directamente das árvores. Por vezes ficava só ali, parada a olhar para as cascatas e a ouvir aqueles sons. Tão relaxante!

Ao fim do dia vínhamos embora. Os meus pais carregados de produtos biológicos e eu a correr com o cordeirinho atrás.

Bons momentos esses. Este vídeo fez-me regressar àquele tempo...

Vídeo: canal "Relaxar e Meditar".
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Pensamento/Lema da semana #353


"SEGUE OS TEUS SONHOS. 
Descobre onde gostarias de estar, o que gostarias de fazer, 
e depois descobre o que precisas de fazer para chegar lá."
Kennon M. Sheldon

Foto: tpsdave
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Como manter a casa limpa e arrumada diariamente #6 - As compras semanais


Uma casa limpa e arrumada é não só mais funcional, como também afecta positivamente o nosso bem-estar. Encontramos o que necessitamos mais rapidamente, os espaços tornam-se mais bonitos e relaxantes, ganhamos tempo para investir na nossa felicidade.

Já aqui falei de algumas técnicas que ajudam a tornar isto possível: o destralhe, a organização dos espaços , o planeamento das tarefas domésticas e as rotinas a manter diariamente.

Pode soar estranho, mas também a forma como fazemos compras influencia a limpeza e organização da nossa casa. Espreita as sugestões abaixo:

««»»

50. Faz uma ementa, de preferência semanal - Saberes exactamente o que irás cozinhar todos os dias, ajudar-te-á em dois aspectos:
a) quando fizeres compras será mais fácil não te excederes nos produtos a adquirir, pois poderás cingir-te ao que está previsto na ementa; 
b) perderás menos tempo na preparação das refeições, pois:
- deixas de ter o problema de chegar a casa e andares às voltas sem saber o que fazer para o jantar (e correres o risco de nem teres disponíveis todos os ingredientes);
- também te permitirá ir adiantando o jantar previamente (podes tirar de véspera o que necessitas para o dia seguinte, podes também adiantar o possível logo pela manhã).

Pessoalmente já fiz ementa mensal, para ir menos vezes às compras, mas acho a semanal mais eficaz. Primeiro porque acabava por ter de ir às compras todas as semanas, para adquirir os frescos. Depois porque às vezes não fazemos alguma refeição prevista na ementa (ou porque nos convidam para jantar fora ou porque sobra comida da refeição anterior, etc.). Com ementa semanal, é mais fácil prevenir a acumulação de ingredientes não utilizados (e possível desorganização na despensa e frigorífico). Basta incluir esses ingredientes nas próximas ementas.

51. Faz uma lista de compras eficaz e cumpre-a - Vai registando ao longo da semana tudo o que necessitas de comprar. No dia em que fizeres a ementa, acrescenta os ingredientes que não tenhas em casa.

Antigamente eu usava um modelo de lista de compras, feito no computador, mas arranjei forma de a tornar mais eficaz. Hoje em dia vou escrevendo a lista num caderno, à medida que me vou lembrando. Mas para não ter os produtos todos misturados, faço o seguinte:
a) copio essa lista ordenando os produtos, pela mesma ordem em que os encontro no hipermercado;
b) dentro da lista, reúno por conjuntos, os produtos que se encontram na mesma área (vê foto abaixo). Só perco uns 5 minutinhos ou nem tanto, mas nem imaginas a poupança de tempo a fazer as compras. Compro tudo super-rápido. (Ah! A única coisa que compro uma única vez por mês ou até de 2 em 2 meses é o peixe. Compro em quantidade para evitar perder tempo em filas.)

Por último, é importante que te cinjas à lista de compras. Sei que há muitos produtos interessantes, mas evita as compras por impulso. Por vezes acabas por trazer mais tralha para casa... e isso dar-te-á mais trabalho. A excepção, é se aquilo que trouxeres valer MESMO a pena.

A organização na lista de compras,
permite fazer compras mais rapidamente e previne a aquisição de produtos desnecessários.

52. Pensa duas vezes antes de comprares - Tenta comprar de forma mais consciente. Isto implica pensar se a compra de dado objecto compensa o trabalho que te vai dar (a limpar, por ex.), se irá facilitar a tua vida, se é realmente útil, se te trará alegria genuína. Colocar estas questões ajuda-nos a ser mais selectivos, a ter só o que realmente adoramos ou necessitamos. Já poupei muito dinheiro usando esta técnica! 

Deves ponderar no tipo de produtos que compras, mas também na sua quantidade. Por ex. ao nível de roupa: será que gostas tanto daquela peça e que te assenta tão bem, que a vais realmente usar (ao invés de a deixares esquecida no armário)? Ou ao nível da alimentação: será que a quantidade de ingredientes não é exagerada para aquilo que vais cozinhar? Será que vais acabar por sobrelotar o teu frigorífico ou até desperdiçar comida?

53. Aproveita as promoções, somente dos produtos que usas - Claro que sempre que podes, deves aproveitar as promoções. Mas só daquilo que realmente usas! Uma camisola pode estar muito barata, mas se acabas por usá-la uma só vez, só ficará a ocupar espaço no teu roupeiro.

54. Logo que chegares das compras, arruma os produtos no respectivo lugar - Passa um pano para retirar o pó do armário ou prateleira onde vais colocar os produtos. Sempre que possível, deita de imediato fora os plásticos que os envolvem (por ex. dos pacotes de leite, garrafas, etc.).

Arrumar os produtos logo que se chega das compras,
ajuda a mantê-los organizados.

55. Aproveita também para organizar e limpar o frigorífico nessa altura - Antes de fazeres compras, podes retirar do frigorífico o que tem de ir para o lixo e analisar o que está em falta. Depois de regressares, podes passar um pano nas prateleiras e ir colocando os produtos nos respectivos lugares. Isto ajuda bastante a manter o frigorífico limpo e organizado (não invalidando que com mais tempo faças uma limpeza mais profunda).

56. No dia da limpeza da despensa, aproveita também para a organizares - Verifica as datas de validade dos produtos, deita fora o que está a mais e organiza os produtos de forma a que todos eles fiquem visíveis (reunindo-os por categorias, com os maiores atrás e os menores à frente). Isto evita a que a despensa se transforme numa confusão, o que dificulta também a limpeza.

Uma organização adequada,
implica que os produtos sejam facilmente visualizados.

57. Usa o «mês dos aproveitamentos» para limpares e organizares o teu congelador - Normalmente quando compramos produtos alimentares, devido ao tamanho das embalagens, acabamos por não confeccionar tudo de uma vez. Pode assim sobrar frango, legumes, mariscos, etc.  Quando te aperceberes que estes produtos começam a multiplicar-se no congelador, escolhe um mês, e faz a ementa exclusivamente em função desses produtos. Nesse mês, com excepção dos frescos e do pão, não necessitarás de fazer grandes compras. É uma forma de esvaziares o congelador. Aproveita para o limpares nesta altura, pois será mais fácil fazê-lo, sem ter que retirar uma quantidade enorme de produtos para o exterior.

Após as compras seguintes, volta a organizar os produtos no congelador. Novamente, agrupando-os por categorias (ex.: por legumes, carnes brancas, carnes vermelhas, peixe, etc.).


««»»

Aos poucos, vais adquirindo o controle da tua casa. Esta vai-se transformando num lugar mais bonito e acolhedor.

O próximo passo terá a ver com o tratamento de roupas. Mas isso fica para um próximo post.

Até lá, traz energias positivas ao teu refúgio... e sê feliz!

Um casa limpa e arrumada,
influencia positivamente no bem-estar dos seus moradores.

Fotos: 1.ª Mafalda S.; 2.ª GamerChef6 3.ª Better Homes & Gardens; 4.ª The Container Store; 5.ª Interiors Inspirations.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Pensamento/Lema da semana #352


"A vida feliz
consiste na tranquilidade da mente."
Cícero

Foto: leninscape
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Os livros que li e/ou comprei no primeiro semestre de 2017

Desde que me conheço, que tenho paixão por livros (sim, eu preferia livros a brinquedos!). Alguns trouxeram-me ensinamentos que não só têm melhorado a minha vida, como me têm ajudado a crescer interiormente. Outros, simplesmente me proporcionam momentos de puro prazer. 

De vez em quando apresento um livro no blog, algo sobre os temas que falo aqui. Mas os meus interesses são mais abrangentes. Por isso, e em jeito de book haul, vou falar-te dos livros que de algum modo, fizeram parte da minha vida no 1.º semestre de 2017.

Alguns têm que ver com Psicologia Positiva, destralhe, parentalidade, etc. Outros nem por isso. Ainda assim, podes ter interesse em conhecê-los.

Na área da Psicologia:


Tropeçar na Felicidade de Daniel Gilbert (psicólogo da Universidade de Harvard) - Encontrei este best-seller da Psicologia Positiva, por acaso, na semana passada. Tem estado esgotado e era o único exemplar da livraria. O autor fala das projecções, tantas vezes erradas, que o nosso cérebro faz acerca do que nos fará felizes, bem como de como tropeçamos na felicidade quando menos esperamos.

Fluir de Mihaly Csikszentmihalyi (psicólogo da Universidade de Claremont) - Este livro fala das «actividades de fluxo», ou seja, daquelas experiências que nos dão prazer, não as sentimos como obrigação e ficamos de tal forma absorvidos por elas que até nos esquecemos do tempo a passar. São actividades que contribuem para sermos mais felizes e com base nisso, o autor dá-nos dicas para melhorarmos a qualidade de vida a vários níveis (através do corpo, do pensamento, do trabalho, da solidão e da companhia, transformando a tragédia, lidando com o stress...).

A Fórmula da Felicidade de Bridget Grenville-Cleave e Ilona Boniwell  (ambas psicólogas positivas) - As autoras apresentam 100 factores que influenciam a nossa felicidade, tanto pela positiva como pela negativa. Cada um destes factores baseia-se em estudos científicos que vão sendo explicados ao longo do livro. Um livro sintético, que considero bom para quem se está a iniciar no tema.

O Livro do Hygge - O Segredo Dinamarquês para Ser Feliz de Meik Wiking (presidente do The Happiness Research Institute de Copenhaga) - O primeiro livro que li este ano (falei mais detalhadamente dele aqui). Nele é explicada a razão pela qual a Dinamarca tem alcançado o 1.º lugar (por diversas vezes) na lista dos países mais felizes do mundo. Tudo se resumo a uma filosofia de vida baseada no Hygge - uma forma de trazer sensações de aconchego e felicidade ao dia-a-dia, através do apreciar das coisas simples. O objectivo do livro é explicar-nos como fazê-lo.

✓ Hygge - Ser Feliz à Dinamarquesa de Anna Skyggebjerg (mestre em Literatura, com funções no Conselho de Ética Dinamarquês) - Gostei tanto do livro anterior, que acabei por comprar este, sobre o mesmo tema (falei dele, com mais detalhe, aqui). Este sugere-nos diversas actividades e a forma como devemos realizá-las para nos proporcionar o hygge.



✓ Porque Sofrem as Pessoas Inteligentes de Eric Maisel (psicoterapeuta) - Este ainda não li, mas estou curiosa. Nele, o autor aborda os desafios que as pessoas inteligentes têm de enfrentar e as consequências por vezes devastadoras desses desafios. Oferece de seguida estratégias para os enfrentar e conseguir uma vida mais calma, com mais sentido.

✓ Silêncio - O Poder dos Introvertidos num Mundo que Não Para de Falar de Susan Cain (estudiosa da introversão e timidez) - Pessoalmente, apesar de disfarçar bem, sinto que sou introvertida, daí a minha curiosidade acerca deste livro. A autora fala da importância da introversão, dos seus aspectos positivos e de soluções para alguns problemas que os introvertidos têm de enfrentar. Dá a conhecer a história de introvertidos célebres. Conclui ainda que ambas as personalidades fazem falta à humanidade e que jamais a introversão deve de ser subestimada.

Nas áreas do minimalismo, organização e ecologia:



Destralhe a Sua Casa de Paula Margarido (arquitecta e especialista em Feng Shui) - Estou a adorar este livro, pelo que quando acabá-lo (está quase) vou fazer um resumo no blog. Ensina-nos estratégias para destralhar eficazmente, organizar e manter a casa limpa. Com base no feng shui, refere como as áreas da casa influenciam a nossa vida e o método de destralhe/organização ideal, tendo em conta a nossa personalidade. Ao nível da limpeza, sugere sempre soluções ecológicas, dando receitas de produtos caseiros para diferentes tipos de limpezas. Muito bom!

Menos é Mais de Francine Jay (blogger e autora de vários livros sobre minimalismo) - A primeira parte fala dos benefícios de ter menos coisas (pessoalmente, como não sou iniciante neste assunto, já sei de cor estes benefícios, pelo que achei um pouco entediante. Mas para quem está a começar, é fundamental). Do resto do livro, gostei bastante. Apresenta técnicas para destralhar e organizar de forma eficaz, as várias áreas da casa. Dá também dicas para envolver toda a família no estilo de vida minimalista.

Eco Inteligência de Daniel Goleman (psicólogo, autor do best-seller "Inteligência Emocional)" - Este também ainda não li, mas pelo sumário, Goleman, fala dos impactos ocultos daquilo que consumimos, pois até na produção de alguns produtos ecológicos há riscos para a saúde de quem os produz. A ideia é tomarmos cada vez decisões mais inteligentes, ao conhecermos os factos ecológicos por detrás dos produtos que consumimos.

Na área da educação/parentalidade:


1333 Perguntas para Fazer ao Seu Pediatra de Mário Cordeiro (pediatra) - Fiquei fã do autor, quando li "O Grande Livro dos Medos e das Birras", pois quase sentimos que estamos no consultório de um pediatra amigo, que nos auxilia a sermos melhores pais. Este livro «gigante» de 671 páginas é um livro de perguntas e respostas, para as mais variadas questões (alimentação, sono,  crescimento, higiene, desenvolvimento, educação, escola, brincadeira, sexualidade, acidentes e saúde). Abrange as crianças desde que são bebés até à adolescência.

 Educar com Amor, também de Mário Cordeiro - Este livro é uma espécie de guia para que os nossos filhos cresçam felizes. Ajuda-nos a ensinar os nossos filhos a lidarem com os seus sentimentos, a enfrentarem problemas do dia-a-dia, a serem alegres. Também fala de qualidades que devemos ensinar-lhes (empatia, honestidade, responsabilidade...), das birras, dos comportamentos menos bons, dos limites, da espiritualidade e da importância do exemplo dos pais. Muito bom!

1-2-3 Magia - O Método de Disciplina mais Eficaz para Crianças dos 2 aos 12 anos de Thomas W. Phelan (psicólogo especializado em disciplina infantil e em crianças com défice de atenção) - Este ainda não li, mas fala do «Programa 1-2-3 Magia», que ajuda os pais a estabelecerem limites. O 1.º passo refere-se ao controle dos comportamentos inaceitáveis, o 2.º ao estímulo dos bons comportamentos e o 3.º ensina técnicas para fortalecer relações entre pais e filhos.

Educar na Curiosidade de Catherine L'Ecuyer (Mestre em Investigação, dedica-se ao estudo de temas educativos). - Este livro tem muito que ver com o slow parenting. Fala das consequências negativas do excesso de estimulação e das exigências que a sociedade actual coloca sobre as crianças. Ensina-nos a aplicar um modelo educativo bem mais saudável: o de «Educar na Curiosidade» (inspirado no método Montessori), que aproveita a curiosidade natural das crianças e a sua motivação interna. Fala ainda do respeito pelos ritmos de desenvolvimento, da importância de deixar as crianças serem crianças, do valor do silêncio (ao invés de TV´s continuamente ligadas)...

Ajude o Seu Filho a Ter Êxito de Bill Lucas (Educador) e Alistair Smith (Formador Motivacional) - Este é um livro fininho, mas com conteúdo e imagens interessantes. É indicado para pais de crianças do pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Vem recheado de sugestões de actividades e jogos, testes, conselhos e truques para ajudar as crianças a serem bem-sucedidas, especialmente ao nível da aprendizagem. Fala em como ajudá-las a alcançarem os seus sonhos, a estudarem eficazmente, a sentirem-se seguras e menos stressadas, a expressarem sentimentos, a conseguirem lidar com desafios, a ganharem motivação, a aprenderem regras e a controlar a raiva, etc., etc.

Na área da saúde:


Ioga para Corrigir a Visão de Kazuhiro Nakagawa (director do Vision Fitness Center em Tóquio) - Devo dizer que comprei este livro somente por dois motivos: 1.º) corrigi um problema de visão através de sessões de uma espécie de fisioterapia sugerida pelo oftalmologista; 2.º) ouvi um programa na TSF, justamente sobre exercícios para a visão, apontando alguns casos de sucesso. Como eu e a Letícia temos miopia, também não custa saber um pouco mais sobre o assunto... O autor baseia-se no facto da capacidade visual não depender só dos olhos, mas também do cérebro. Com base nisso, apresenta uma série de exercícios e técnicas para melhorar a visão e prevenir o desgaste ocular.

A Solução das Zonas Azuis - Comer e Viver como as Pessoas Mais Saudáveis do Mundo de Dan Buettner (investigador da National Geographic e fundador do Projecto Zonas Azuis) - O autor investigou os modos de vida nos locais do planeta onde existem populações com vidas incrivelmente longas e saudáveis, as chamadas «zonas azuis» (nota minha: também já o fez em relação aos lugares mais felizes do mundo, investigação divulgada no seu livro "Thrive: Finding Happiness The Blue Zones Way"). Neste livro, o autor apresenta sugestões para incorporamos na nossa rotina diária as dietas e os hábitos de vida saudáveis dos habitantes das «zonas azuis» (inclui receitas culinárias e dicas relativas ao estilo de vida). Muito interessante!

Na área da culinária saudável:


Chegar Novo a Velho - Receitas de Manuel Pinto Coelho (médico) e Camila Balbi (terapeuta da nutrição/health coach) - Para quem conhece o Chegar Novo a Velho, este livro é uma espécie de complemento do primeiro, com receitas baseadas no regime paleolítico e alcalino. Numa primeira parte o autor faz um enquadramento mais científico explicando como é possível ter mais saúde e longevidade e o papel dos alimentos na saúde. Na segunda parte, encontramos as receitas, com informações acerca dos benefícios de alguns dos ingredientes usados. As receitas estão divididas por: a) pequenos-almoços e snacks; b) sopa, condimento e salada; c) prato principal; d) para viagem e e) bebida. O que me desagradou, é o facto do livro não trazer índice...

Cozinha Saudável de Mafalda Pinto Leite (chef, terapeuta da nutrição/health coach) - Como já vem sendo habitual, a Mafalda destaca os benefícios de vários dos ingredientes usados nas receitas. Fala também dos utensílios necessários e da lista de ingredientes para construirmos uma despensa saudável. As receitas (com aspecto lindíssimo), estão organizadas por: a) bebidas; b) pequeno-almoço; c) snacks; d) saladas e sopas; e) pratos principais e f) sobremesas.

A Comida dos Miúdos Cá de Casa de Ágata Roquette (nutricionista) - Ainda não tinha nenhum livro desta autora, mas estou a adorar as receitas. Uma delícia! Enquanto nutricionista, explica-nos em que consiste uma alimentação saudável para crianças, quais as necessidades nutricionais de acordo com a idade, quais os alimentos a consumir e o que deve de ser evitado, e... como lidar com as esquisitices deles. Em termos de receitas, estão dividas assim: a) pequeno-almoço e lanche; b) lanches (inclui sugestões para as lancheiras escolares); c) snacks para petiscar; d) refeições principais e e) molhos caseiros.

Cozinha Vegetariana para Bebés e Crianças de Gabriela Oliveira (jornalista, vegetariana há quase 20 anos) - Tem uma introdução bastante detalhada sobre a alimentação vegetariana na infância (tipos de alimentos, fases de introdução dos mesmos, estratégias para provar e gostar, etc.). As receitas estão divididas da seguinte forma: a) purés e sopinhas de legumes; b) cremes de frutas e papas de cereais; c) pratos principais; d) acompanhamentos; e) compotas, manteigas e bolachas; f) bolos, gelados e gelatinas. Cada receita refere a idade para a qual está indicada, a duração da confecção da receita e o número de doses que faz.

Nas áreas da espiritualidade e meditação:


Provas da Vida Depois da Morte de Jeffrey Long (médico oncologista) e de Paul Perry (escritor) - Eu, a céptica, adorei este livro (falei dele aqui). Este fala de um dos maiores estudos a nível mundial sobre EQM's (experiências de quase morte) e respectivas conclusões: 9 provas de que a vida de alguma forma subsiste após a morte. Inclui relatos de quem passou por isso e os argumentos dos cépticos, contrapostos, com justificações para cada argumento.

Meditação para Pessoas Ocupadas de Osho (místico) - Este livro foi-me oferecido e, incrivelmente, ainda não o li (nem nunca li qualquer livro do Osho). Mas o conteúdo parece interessante... Fala sobre o stress e como lidar com ele, da ligação que existe entre o corpo e a mente. Inclui uma série de meditações diárias e meditações activas para encontrar a tranquilidade interior. Tenho de lê-lo brevemente!


Bíblia - Volume I de Frederico Lourenço (especialista de línguas e literaturas clássicas e professor na Universidade de Coimbra) - Ok, eu já tinha lido vários livros da bíblia, mas reparei que algumas passagens variam consoante a religião, ou até dentro da mesma religião, consoante a época. Daí que este volume, traduzido por alguém com intuito meramente académico, me parece mais isento. O melhor é que o autor faz o enquadramento históricos de cada livro, e explica os diversos versículos.

As Novas Seitas Cristãs e a Bíblia de Joaquim Carreira das Neves (sacerdote e professor de teologia na Universidade Católica Portuguesa) - Apesar do autor ter sido um sacerdote católico, também foi um estudioso das diversas religiões. Interessava-me saber o porquê de tantas interpretações diferentes da bíblia. O autor explica o surgimento destas religiões cristãs, quais as principais crenças, que, por sua vez, contrapõe, com uma série de argumentos baseados na bíblia.

Na área da ficção:


Fúria Divina de José Rodrigues dos Santos (jornalista e professor na Universidade Nova de Lisboa) - Digam o que disserem (porque as pessoas de sucesso têm sempre de levar com críticas) eu simplesmente adoro a escrita do JRS. É viciante e dá para desanuviar do stress do dia-a-dia. Neste livro repleto de mistério e aventura, percebemos como uma criança inocente e cheia de boas intenções se pode transformar no pior dos terroristas. Mais uma aventura do Tomás Noronha, cheio de enigmas por decifrar. 

Vaticanum, também de José Rodrigues dos Santos - Neste livro os terroristas raptam o papa e ameaçam decapitá-lo até à meia-noite. Na busca de pistas para evitar que o pior aconteça, Tomás Noronha vai descobrindo uma série de sujeiras em que o Vaticano (principalmente o Banco do Vaticano) tem estado envolvido. Bem... é incrível como uma instituição que se diz santa, está envolvida em tantos crimes e maldade. A sério que cheguei a pensar que isto era romanceado. Depois fui pesquisar em canais de notícias e tudo aquilo era verdade. Meu Deus!... Agora percebo muitas das atitudes do Papa Francisco.

Na área da história:


A Grande Conspiração de Robert Goodman (químico) - O livro é interessante. Fala dos Templários, dos illuminati, da Maçonaria, do FMI e do Vaticano (inclusive da irmã Lúcia). Aborda também algumas tragédias modernas: a guerra do Golfo, o atentado de Oklahoma, o 11 de Setembro, o ataque ao Afeganistão, o ataque terrorista de 11 de Março em Espanha, entre outros. Fala de muitas situações efectivamente documentadas. Mas depois... pelo meio aparecem puras especulações e isso desiludiu-me. 

Episódios da História de Portugal Que Não Aconteceram Bem Assim... de Ricardo Raimundo (historiador) - Uma leitura leve, ideal para desanuviar (e até nos divertirmos) ao serão. Fala de vários episódios históricos que temos como verdadeiros, mas que não passam de invenções. Entre outros fala do milagre das rosas, da morte de Martim Moniz entalado num portão, de D. Pedro ter mandado desenterrar a amada Inês, da padeira de Aljubarrota, do templo de Diana, do pinhal de Leiria, da descoberta do Brasil, de Salazar ter sido um homem casto e poupado... Pois, pois... muita imaginação à mistura.

Os 100 Grandes Erros da História de Bill Fawcett (historiador, antologista e editor) - Este livro fala de erros, distracções e disparates que alteraram o curso da história mundial. É igualmente cheio de curiosidades. Pena que contenha alguns erros (por exemplo o Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil por acaso...). O autor separou os assuntos por épocas e fala de temas como: os Romanos, os Viquingues, os descobrimentos, as guerras napoleónicas, as guerras mundiais, a guerra do Iraque (mencionei só alguns, porque são 100 temas ao todo).

Nas áreas da BD e nostalgia:


Toda a Mafalda - Edição Comemorativa dos 50 anos de Quino (Autor de Banda Desenhada) - Talvez seja influência do nome 😉, mas a verdade é que eu adoro a Mafaldinha. E este livro é espectacular! É mesmo de coleccionador. Tem mesmo TODAS as tirinhas da Mafalda! E eu continuo a achar-lhes graça. Ainda tem o enquadramento histórico das tirinhas, a biografia do Quino, a descrição das personagens (só agora soube que a mãe da Mafalda se chama Raquel) e, no final, fala das publicações saídas em Portugal. É definitivamente... um livro fantástico! E também um calhamaço de 600 páginas em tamanho A4.

A Sebenta do Tempo de Mário Augusto (jornalista) - Ando a lê-lo de momento e é tão divertido fazê-lo. Recorda-me coisas que ainda existiam na minha infância e mostra-me outras anteriores: os livros que se usavam na escola, as brincadeiras e brinquedos, as revistas, as guloseimas, a música, os filmes... tem imensa informação e está cheio de fotos giras. 

Caderneta de Cromos de Nuno Markl (humorista) - Este livro é muito parecido com o anterior, até tem vários temas em comum. Não tem fotos, mas ilustrações. Mas tudo com muito sentido de humor. O autor a falar do Nesquik e do Suchard Express: "Miúdo que era homem bebia os achocolatados com tanto chocolate que aquilo já não era para beber. Era para comer." Dá umas boas horas de diversão!

««»»

É o primeiro post que faço deste género. E gostei de o escrever, porque os livros, ai os livros..., fazem-me tão feliz!

Fotos: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Facebook || Instagram

terça-feira, 27 de junho de 2017

Como manter a casa limpa e arrumada diariamente #5 - A rotina diária


Neste percurso para trazer boas energias à casa, um passo fundamental é destralhar. Depois disso, devemos organizar, de modo a que seja mais fácil manter a casa arrumada. Por último, ajuda bastante fazer um planeamento das tarefas domésticas.

Todos estes temas foram abordados em posts anteriores. Hoje vou falar da rotina diária.

Se fizermos um pouco todos os dias, é muito mais fácil manter as coisas sob controle. Viveremos num sítio que nos acalma a mente, ao invés de termos na casa uma fonte de stress. Ao fim do dia encontraremos um lugar acolhedor, onde os problemas podem ser deixados do lado de fora. Não teremos receio de visitas inesperadas, porque a casa estará limpa e arrumada diariamente. (Nota: claro que isto significa ter uma casa com vida, não uma casa perfeita com ar de museu).

Eis assim algumas sugestões para a rotina diária:

««»»

35. Levanta-te mais cedo - Acordar uma hora ou 30 minutos mais cedo, já ajuda a adiantar algumas tarefas. Podes por exemplo, limpar uma divisão ou adiantar o jantar. 

Claro que há pessoas mais matinais e outras mais nocturnas. As mais nocturnas podem optar por concentrar as tarefas quando chegam a casa e deitar-se mais tarde. No entanto, acordar cedo tem outra vantagem. Quando sais de casa com a casa organizada e já cumpriste algumas tarefas, o dia tende a correr melhor. O facto é que as manhãs influenciam o nosso humor, durante o resto do dia.

36. Deita-te mais cedo - Claro que se optares por te levantar mais cedo, convém deitares-te a horas decentes. 

Cria rotinas de sono para ti e para os teus filhos. Se se deitarem por volta da mesma hora diariamente, é mais fácil o corpo adaptar-se e sentir sono nessa altura.

37. Prepara o dia seguinte na noite anterior - De início pode parecer difícil, mas com o tempo, torna-se um hábito e farás tudo de forma mais rápida. Os preparativos podem envolver escolher a roupa e acessórios para o dia seguinte, preparar marmitas, programar a máquina de lavar roupa e/ou loiça para lavar durante a noite, etc.

O que acontece a seguir, é uma espécie de ciclo vicioso: se preparaste as coisas na noite anterior, terás uma manhã mais calma e tempo extra para adiantar tarefas. Em consequência, como já adiantaste tarefas pela manhã, terás os serões mais livres.  

Preparar o que se precisa na noite anterior,
permite adiantar tarefas pela manhã.

38. Inclui no teu «mapa de tarefas domésticas», o que tens de fazer diariamente - A ideia é incluíres uma espécie de checklist com as tarefas que tens mesmo de fazer todos os dias. Esta lista ajuda-nos a não esquecer do que necessitamos de fazer, para que a casa esteja em condições. Podes incluir coisas como: fazer as camas, preparar o jantar, deitar o lixo fora, etc. (Para saberes como fazer um «mapa de tarefas domésticas, espreita o post anterior).

39. Faz as camas logo pela manhã - Puxa as mantas para trás assim que te levantas. Depois vai fazer qualquer coisa (tomar duche ou comer alguma coisa, por ex.), para que a cama fique a arejar. De seguida, faz a cama.

Se saíres com a cama feita, a casa fica logo com um ar mais arrumado e só gastas uns 5 minutos.

40. Começa cedo, os preparativos para o jantar - Podes adiantar refeições ao fim-de-semana e congelar. Pessoalmente não aprecio fazer isto, opto por fazer o máximo todos os dias, ainda antes de todos acordarem. Faço a sopa. Para o segundo prato, posso deixar todos os ingredientes cortados, no frio, e depois é só misturá-los. Posso também fazer a salada, que irei temperar só na hora da refeição. 

Depende do tipo de refeição, mas há sempre qualquer coisa que podes adiantar.

Ir adiantando o jantar logo cedo,
trará mais disponibilidade ao serão.

41. Antes de saíres, deixa a casa minimamente organizada - Percorre as divisões da casa, uma a uma, e arruma o que estiver fora do lugar. 

É muito mais relaxante quando regressares a casa, encontrares tudo arrumado e com ar acolhedor.

42. Nas tarefas domésticas, recorre ao multitasking - Enquanto cozinhas, podes ir colocando a loiça na máquina e pondo a mesa. Enquanto esperas que um produto de limpeza actue, podes ir organizar uma gaveta. Enquanto arrumas as compras, podes aproveitar para arrumar/limpar o frigorífico ou verificar a validade dos produtos que tens na despensa. Há imensas possibilidades. 

A ideia é ires adiantando serviço, para te sobrar tempo para relaxar.

43. Define altura(s) no dia, para recolheres os objectos que estão fora do lugar - Bom seria após usar, guardar de imediato. Mas, principalmente quem tem crianças, sabe que há objectos que acabam espalhados pela casa. Sugiro assim que dês uma volta pela casa, divisão a divisão, para arrumares tudo o que está fora do sítio e te desfaças do que é tralha.

Para que isto seja mais eficaz, define diariamente as alturas em que o deves fazer. No meu caso, é após ter feito as camas e 15 minutos antes do jantar. O ideal seria envolveres outros elementos da família nesta actividade (para os motivar a arrumar logo após usar, pois dá menos trabalho).

É muito importante que isto seja feito diariamente! Se deixares acumular, corres o risco de, quando chegar a altura de limpar, perderes mais tempo a arrumar do que com a limpeza propriamente dita.

Arrumar o que está fora do sítio num momento específico do dia,
previne a acumulação e facilita as limpezas.

44. Limpa o fogão sempre que o usares -
É muito mais fácil limpar na hora, do que deixar acumular sujidade. Com o uso das altas temperaturas, a sujidade do fogão seca e torna-se muito mais difícil de limpar. Por isso, limpa na hora.

45. Arruma a cozinha antes de ires dormir - Tenta sempre fazer o seguinte: levantar a mesa, lavar a loiça ou pô-la na máquina para lavar durante a noite, passar um pano nas bancadas e outro no fogão ou forno (o que tiver sido utilizado) e limpar o chão. 

Eu sei, às vezes estamos tão cansados/as que não apetece nada... Mas se o fizermos, no dia seguinte é muito menos stressante acordar e saber que não termos de perder tempo nessas tarefas.

46. Separa os talheres por categorias dentro da máquina de lavar - Para facilitar esta tarefa, se puderes optar na altura da compra, escolhe uma máquina de lavar com prateleira para talheres (se bem que a organização por categorias, também é possível com cesto de talheres). A ideia é ires colocando na máquina colheres de sopa junto de colheres de sopa, garfos, junto de garfos, etc. Quando chegar a altura de os retirar da máquina, a arrumação será muito mais rápida.

Separar os objectos por categoria na máquina de lavar loiça,
facilita a sua posterior arrumação.

47 - Abrevia as tuas tarefas - Antes de realizares determinada tarefa, pensa em como poderás fazê-la perdendo menos tempo. Eis alguns exemplos: deixa o produto de limpeza actuar alguns minutos, para ser mais fácil retirar a sujidade; deixa a louça a secar no escorredor ao invés de limpares peça a peça; limpa só o que estiver sujo; opta por roupa fácil de passar a ferro, etc.

48 - Se a casa estava arrumada, deixa as coisas como as encontraste - Se todos os moradores de uma casa, cumprissem esta regra, a casa daria muito, mas muito menos trabalho. Para isto ser possível depois de usar, devemos de ir logo arrumar. Assim como quando sujamos, devemos limpar de imediato.

49 - Arruma e limpa diariamente - Estas tarefas devem mesmo de ser diárias. Por mais organizados que sejamos, há sempre algo que sujamos, há papéis que chegam pelo correio, há crianças que têm de ser crianças e acabam por desarrumar. Isto é ter uma casa com vida! Mas tal como sujamos e desarrumamos, é importante também arrumar, limpar e evitar a todo custo acumular (objectos e sujeira). 

Bastam algumas tarefas por dia, para que a tua casa se mantenha acolhedora... e se transforme naquele lugar, onde podes ser feliz.

Fazer um pouco todos os dias,
ajuda a transformar a casa num refúgio acolhedor.

No próximo post desta série falarei das «compras semanais». Do que pode ser feito nesta área, para contribuir para uma casa limpa e arrumada.

Fotos: 1.ª e 3.ª Alvhem; 2.ª StockSnap; 4.ª Interior Design and Decoration; 5.ª Mafalda S.; 6.ª Per Jansson
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Related Posts with Thumbnails