quarta-feira, 14 de março de 2012

Portugal desceu no ranking da felicidade

Não me posso dizer surpreendida. Basta olhar os rostos sombrios à nossa volta, o desânimo face ao futuro e os sentimentos de insegurança que a crise acarreta.

Mas nem por isso antigamente éramos muito mais felizes. A nossa cultura, tão bem celebrada pelo fado, tem um toque nada subtil de tristeza.

Para além disso, não vivemos num sistema político-económico centrado em fazer as pessoas felizes (ao invés temos desigualdades sociais, uma alta taxa de corrupção, falta de educação para a felicidade, o acesso cada vez mais difícil ao sistema de saúde...). Creio que não existe uma única explicação para esta situação, mas sim uma combinação infeliz de factores.

Assim, no ranking do Índice de Felicidade Futura (IFF), feito pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas, a partir de dados do Gallup World Poll em 158 países, Portugal encontra-se na posição 146.

Neste estudo, que analisa a perspectiva das pessoas face à sua felicidade nos próximos 5 anos, o Brasil ficou em 1.º lugar (parabéns, irmãos brasileiros!), são por isso considerados o povo mais optimista do mundo.

Portugal, que anteriormente qualificava a sua felicidade em 6 valores (numa escala de 0 a 10), actualmente classifica em 5,2. O Brasil qualifica a sua esperança de felicidade em 8,79 (subindo para 8,98, no caso das mulheres), e o pior resultado é o do Zimbabué, com 4,4.

Independentemente destes dados poderem variar de ranking para ranking, nunca encontrei Portugal bem classificado. É um sinal de avizo.

Na minha opinião, cada um deveria investir na sua própria felicidade (e isso aprende-se: consulte este post) e na felicidade colectiva (com a intervenção de cada um e, honestamente, com a alteração do actual sistema político/económico, este país poderia ser mais feliz). Observe as características de alguns países, num ranking mais antigo dos países mais felizes do mundo.

Se quiser assistir à reportagem sobre este assunto, espreite-a aqui, no site da Sic Notícias.

17 comentários:

  1. Independentemente da crise somos um povo mais preocupado com as aparencias, o ter e o ser do que propriamente com a felicidade. Não é dificil ver povos com mais dificuldades que nós mas mais felizes.

    ResponderEliminar
  2. Olá Mafalda!

    É verdade, é visível no semblante das pessoas essa frustração perante a vida.
    Na realidade não podemos comparar a disposição dos brasileiros com a dos portugueses, bom humor está na veia do brasileiro mesmo face a tantos e graves problemas sociais que vivem. Acho engraçado quando dizem que no Brasil está bom,esquecem que o comum brasileiro vive com reais e não com euros ou dólares, dá-me vontade de soltar uma grande gargalhada e dizer que o Brasil está muito bom para os corruptos e criminosos,enfim...só quem conhece é que sabe.
    Tristezas não pagam dívidas e ser agressivo com o seu próximo também não, mas este não é o lema da maioria dos portugueses.

    Vive-se demais de aparências, cá mostramos demais o que temos e não aprimoramos o que somos e em momentos como o que estamos a passar, o ser é arma poderosa e o ter só nos deixa frustrados por que o poder de compra caiu.

    Beijinhos querida Mafalda e um resto de dia muito feliz para ti.
    Patricia.

    ResponderEliminar
  3. Há aqui um grande problema, as pessoas não querem prescindir se certas coisas a que se habituaram e é isso que as torna infelizes. Mas se passarem, mesmo que forçosamente a trocarem o centro comercial, ao domingo à tarde, pela natureza, pelo convívio com amigos e familiares ou resgatarem outras tradições que se perderam no tempo, acabam por se habituar e valorizar essas pequenas coisas que nos fazem realmente felizes. Lembro-me muitas vezes do refrão de uma música de Luther Vandross: "Best things in life are free..."

    Beijinhos, Mafalda

    ResponderEliminar
  4. É verdade! Eu sinto-me mais infeliz do que há 2 anos atrás por exemplo! :(

    ResponderEliminar
  5. Mafaldinha... saudades de vc.!
    Acho q devo visitar Portugal então não! bjs

    ResponderEliminar
  6. Felicidade é um estado de espírito...não devemos buscar fora, mas sim dentro de nós a satisfação e a alegria de viver. Vamos buscar, um a um, motivos para ser feliz a cada dia!!

    Beijinhos e tenha um ótimo dia!♥

    ResponderEliminar
  7. Olá Mafalda, tudo bem? sou uma leitora sua aqui do Brasil,claro que fiquei feliz com a posição do Brasil no ranking, mas a duas questões que percebo, a população daqui com menor poder aquisitivo é mais feliz e a grande capacidade do brasileiro de ter esperança no amanhã.
    Grande abraço a todos os irmãos de Portugal que o futuro brilhe e cada um encontre seu modo de ser feliz.
    Seu blog é encantador, parabéns pelo trabalho.

    "Viver e não ter a vergonha de ser feliz, cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz, a Meu Deus eu sei que a vida devia ser bem melhor e será, mas isso não impede que eu repita é bonita, é onita e é bonita."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O segredo reside algures em saborear as lembranças felizes, aproveitar os bons momentos do presente e ter esperança num futuro ainda melhor.

      Dos brasileiros que conheço (e não querendo generalizar), quase todos parecem conhecer esta realidade. Quase parece que o «desejo de ser» ou o «ser feliz=, lhes corre nas veias.

      Eliminar
  8. Realmente vê-se muita pouca gente a sorrir. Eu cá esbanjo sorrisos a torto e a direito, sem motivo aparente, apenas gosto de sorrir e isso faz-me sentir bem. É pena que as pessoas não tenham estado de espírito para sorrirem mais vezes, eu adoro ver as pessoas a sorrir.

    http://viverentrelacos.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. Olá Mafalda

    Por isso eu costumo dizer que nasci no "país errado" pois eu não me identifico muito com este desânimo, com este pesar que vimos nos rostos que acho que já é característico do povo português e não só da crise.
    Somos um povo acomodado e a crise é uma pequena desculpa para o nosso comodismo de não nos forçarmos a ser felizes porque isto de ser feliz dá um certo trabalho que é muito compensatório.

    Somos um povo acolhedor mas muito pessimista e com esta parte não me identifico.

    A felicidade vem de dentro, é uma escolha nossa, não é movida pelo governo ou pelo dinheiro.

    Este tema também daria uma longa conversa :)

    Beijos
    Um dia feliz para ti

    ResponderEliminar
  10. Oi Mafalda,
    Nós brasileiros aprendemos a buscar soluções em nós mesmos. Estamos valorizando mais o nosso voto, analisamos melhor nossos futuros políticos, cobramos nossos direitos e cumprimos nossos deveres de cidadania.
    Existem ainda muita coisa para se fazer aqui no Brasil, porém esse estudo é uma prova concreta, de que estamos no caminho certo.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  11. Mafalda,
    falo por mim, que tenho picos. Ora estou muito optimista e positiva, logo muito feliz, ora estou mais cabisbaixa. Eu bem tento todos os dias estar de sorriso em prol de me sentir bem, mas nos dias como o de hoje, é dificil! Bj**

    ResponderEliminar
  12. é normal, tendo em conta o panorama nacional

    ResponderEliminar
  13. Eu sou mais feliz do que era há uns tempos atrás. Para isso contribuiu o meu estilo de vida minimalista, em que defini o que é realmente importante para mim e eliminei tudo o resto. Agora tenho menos tralha, física e mental, e mais tempo para o que realmente importa. Os serões passados calmamente com a família, com a casa toda limpa e arrumada e tudo preparado para o dia seguinte, sem stresses e complicações, são a melhor parte do meu dia e é uma coisa que me faz mesmo feliz. Há uns tempos os serões eram para trabalhar, limpar, arrumar, organizar, e era cada um para o seu lado... nunca mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Rita, nós somos mais felizes com as experiências junto das pessoas que amamos, do que com os objectos. Por isso mesmo, temos de repensar as nossas prioridades. Os meus actuais serões também são muito mais felizes que antigamente (nem se comparam).

      Eliminar

Related Posts with Thumbnails