sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Das férias e dos seus ensinamentos


Ultimamente tenho prestado mais atenção às pequenas coisas, ao fluir da vida e às lições que ela nos traz. Assim foi com as últimas férias. Apreciando cada momento e retirando aprendizagens das minhas experiências.

Rumámos novamente a sul e ficámos junto daquela imensidão de mar, no Algarve. Tão bom ver o mar outra vez. Se pudesse, viveria junto dele. A sua beleza, o seu cheiro, o som das suas ondas... fazem-me definitivamente mais feliz.

Ficámos onde costumamos ficar. Num hotel rodeado de Natureza, porque era dela que estávamos a precisar. O cansaço era excessivo e precisávamos mesmo de abrandar.


Desliguei-me de tudo. Das redes sociais, do blog, do telemóvel. Restaram os livros e a natureza.


Não deixei de acordar cedo. Ia para uma espreguiçadeira junto da piscina, quando os outros hóspedes ainda dormiam. A piscina era mesmo em frente ao meu apartamento, não tinha de caminhar muito. E depois era ficar ali, no silêncio somente interrompido pelo som da água. Meditava e depois lia.


Só de seguida tomava o pequeno-almoço. Fi-lo sempre na esplanada da minha varanda, rodeada por flores e por todo aquele verde. Comer ao ar livre tem outro sabor.


Interessantes os artigos que li. Parece que só encontrava textos relacionados com o slow living e o vegeterianismo. Foi mais uma chamada de atenção para a necessidade de abrandar. Por vezes não ligo aos sinais do corpo. Vivo sempre em correria. Mas tenho (urgentemente) de viver mais devagar, ou pelo menos de fazer mais pausas. Preciso também de cuidar da minha alimentação. Quero cada vez mais comer de forma saudável.


Se bem que... não resisti a alguns capuccinos, uma das minhas bebidas favoritas. E ainda provei aquele doce da foto à direita (foram só umas colheradas, pois o bolo era do meu marido). Era feito com alfarrobas, um fruto típico do Algarve. Uma verdadeira delícia! Mas vamos pela positiva, desde que fui de férias rendi-me ao chá verde e esse, não tenho dúvidas de que é saudável.


O melhor destas férias é que li bastante. Principalmente, como disse, junto da piscina deserta. O livro que levei (e que me está a encantar) é "O Monge Urbano" de Pedram Shojai. Cheio de boas sugestões para os problemas do dia-a-dia! Prometo que falarei dele quando acabar de lê-lo, pois vale mesmo a pena. 

Sinto que estou a descobrir todo um mundo novo, nestes últimos livros que tenho lido - por abordarem não só uma componente prática, mas também uma vertente mais espiritual.


Não tenho quaisquer dúvidas de que foi o livro da Rute Caldeira o "Liberta-te de Pensamentos Tóxicos" que fez com que na minha mente habitualmente céptica, despertasse a curiosidade acerca deste tipo de leituras. Continuo descrente acerca de muita coisa, mas sinto uma curiosidade enorme em saber mais. 

Talvez por isso tenha comprado o livro de "Reiki - Guia para uma Vida Feliz" do João Magalhães. Vai ser outro desafio às minhas crenças...

Na mala levei também o livro de yoga mais pequeno que tinha cá por casa. É que eu e a princesa, andámos a praticar.


Quando viajo gosto de mergulhar nos sabores locais. Aquele patê de atum, camarão e delícias do mar era divinal (foto da esquerda). À direita uma cataplana de marisco.


Contudo, tentei experimentar o máximo que consegui de pratos vegetarianos. E digo já que não foi uma boa experiência. A oferta era muito escassa e, por vezes, nada deliciosa. Experimentei por exemplo um prato no hotel que incluía ratatouille. Desiludiu-me imenso. A receita que costumo fazer é bem mais saborosa.

O prato da foto abaixo é um «misto vegetariano», do qual finalmente gostei. Surpreendeu-me é que o falafel, tem exactamente o mesmo sabor do que faço em casa. 

O mundo vegetariano é ainda um enigma, o qual quero sem dúvida explorar.


Como disse, continuei a levantar-me cedo. E os melhores momentos aconteceram junto à praia, quando íamos ver o nascer do sol. Maravilhoso aquele espectáculo da natureza! Aquelas águas douradas, aquele cheiro a maresia, inundavam o meu ser de energia positiva.


À tardinha dava um passeio pelos jardins do hotel. Não queria ir para longe. Queria simplesmente desligar-me do resto do mundo e comungar com a Natureza.


Apreciar pormenores, que por vezes nos passam ao lado no dia-a-dia. Se bem que, cada vez mais, estou atenta à beleza das pequenas coisas.


Debaixo das enormes pinheiras ou dos sobreiros com troncos lindíssimos, estendíamos as nossas toalhas e praticávamos yoga. Também fizemos uma aula de hidroginástica, mas ficou por aí. Era a última aula que a professora ia dar.


Este era o caminho que dá para os baloiços. E esta é para mim uma das plantas mais interessantes daquele jardim.


Os apartamentos têm sempre pinturas no seu interior. Adorei este quadro. Lembra o Algarve, a vida dos pescadores.


Mas nem tudo correu pelo melhor. A localização do apartamento era péssima para quem tem filhos pequenos e pedimos uma alteração. Mudámos para um com pior qualidade, mas num sítio mais agradável. O problema é que a manutenção deste último, deixava a desejar. Quando saímos de férias e estamos exaustos, queremos é descansar. Não pensar nas chatices do dia-a-dia. Mas entre outras coisas, a máquina de lavar loiça não funcionava e demoraram uma eternidade para substituí-la (a bem dizer, fizeram-no quase no fim das férias). Queria que este e outros detalhes não nos tivessem afectado. Mas ainda não chegámos a esse ponto e aquilo influenciou negativamente o nosso descanso. 

Por esta altura, aconteceu também mais uma agressão à mãe Natureza. O incêndio de Monchique. Dá-me um aperto no coração de cada vez que assisto a estas situações... Mesmo distantes daquele lugar, o céu estava acastanhado tal era a quantidade de fumo.


Junto ao mar, tudo pareceria mais escuro. O céu outrora azul, e já com o laranja do pôr-do-sol, estava também acastanhado.


Gostei das férias, mas todos nós sentimos que uma semana não foi suficiente para superar da exaustão. Deveríamos ter ido mais cedo. Não deixar o nosso cansaço chegar ao ponto a que chegou.

Por outro lado, pessoalmente apreciei cada minutinho. Concentrei-me no presente. Foquei-me naquilo que me faz bem.

Agora resta a saudade, principalmente das manhãs. Aquelas manhãs coloridas pelo nascer do sol e em paz pela meditação, pelos pequenos-almoços na natureza.

Vou ter saudades destas companheiras matinais. A praia estava cheia de gaivotas e vazia de pessoas. E eu preferia assim. Eram as melhores horas para ali se estar.


Vou ter saudades também do pôr-do-sol, a outra hora em que íamos ver o mar. Saudades da minha filha e do meu príncipe a saltarem as ondas. Saudades da caminhada de fim de tarde à beira mar.


Mas falei em ensinamentos. E aprendi com esta experiência. Eis as lições:

- Não devemos chegar a um ponto de exaustão para tirar férias. O descanso é tão importante para o corpo como a actividade;
- Para garantir uma boa estadia, é importante reservar o mais cedo possível e informar o hotel daquilo que é realmente imprescindível para nós (sem exageros, claro);
- Para descansar é importante simplificar (nada de excesso de actividades ou escolhas demasiado complicadas);
- No meu caso, os melhores momentos para apreciar a Natureza são ao nascer e ao pôr-do-sol. Faz toda a diferença observar aquele espectáculo da Natureza;
- A meditação, por mais curta que seja, traz muita energia positiva e serenidade aos nossos dias;
- Estar aberto a novas perspectivas de conhecimento (leituras mais espirituais, terapias alternativas, outras filosofias  de vida...), pode mostrar-nos um leque de novas técnicas para melhorar a nossa vida. Claro que não devemos aceitar tudo. Devemos distinguir o útil do inútil, de modo a não perder tempo precioso. No entanto, estar aberto a novos saberes, pode realmente trazer ideias úteis que de outra forma não conheceríamos;
- A falta de beber água afecta o nosso corpo, nomeadamente a nossa pele (fui uma hora tratar da minha pele e a esteticista percebeu de imediato que andava a beber pouca água - como ela refere "a melhor hidratação é a que vem de dentro");
- Cuidar da pele faz toda a diferença no seu aspecto (daí a importância de ter uma rotina matinal e outra nocturna de cuidados);
- Usar esfoliante 1 vez por semana é essencial para que a pele consiga receber a hidratação de cremes externos. Se existirem muitas células mortas, simplesmente os cremes não funcionam, porque não são devidamente absorvidos.
- Os melhores pratos de comida vegetariana que já provei... foram feitos em casa. Há por isso que alargar o leque de escolhas. Experimentar novas receitas, perceber o que gosto dentro das refeições saudáveis.

««»»

 As férias são realmente importantes para o nosso bem-estar.
Não devemos adiar o descanso. Só com ele o corpo funcionará em pleno.
Para além disso, por norma as férias são uma experiência positiva,
logo passível de nos fazer felizes. 

E pronto, vou sonhar com as próximas.

.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

12 comentários:

  1. Bom dia!
    Por aqui o verbo escolhido foi: tranquilizar... 💕

    http://feltronasmaos.blogspot.pt/2016/09/tranquilizar-foi-e.html?m=0

    Tranqulizar foi/ é necessário, assim como, é preciso proveitar, de cada dia, o seu melhor! 💞 Verdade?! ;-)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada por este post. O teu blogue é uma lufada de ar fresco na minha vida e quanto vejo que escreveste, fico muito contente ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh... obrigada também pelas palavras simpáticas!
      Beijinhos :)

      Eliminar
  3. Olá
    Gosto muito do teu blog.
    Por favor publica as tuas receitas vegetarianas.
    Já agora, sou do norte e nunca fui ao Algarve e gostava de ir só que acho que é muita confusão, o hotel que estiveste é maravilhoso, onde fica? ( se não te importares responder é claro!)
    ss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. SS,

      Obrigada pelas tuas palavras!
      Envia-me uma mensagem para o e-mail do blog, que digo-te qual é o hotel.
      Quantos às receitas vegetarianas, podes esperar por novidades... ;)
      Bjs

      Eliminar
  4. Olá Mafalda!

    Embora pequenas vejo que aproveitaste as tuas férias da melhor maneira. Dedicaste-te apenas ao que te faz bem e desligaste, o que também é preciso. Cada vez sou mais adepta de um estilo de vida mais simples, "mais devagar", acho que aprendi a viver finalmente no presente e isso é tão gratificante. E fico sempre feliz por ver que cada vez mais as pessoas se dedicam a este estilo de vida!
    Muito obrigada pela calma e serenidade que me transmitiste ao ler as tuas palavras e ver estas lindas imagens! E pela partilha dos livros também!!
    Não duvido nada que te sintas de baterias carregadas.
    Beijinho grande e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  5. Tranquilidade é o que sentimos ao ler estas tuas palavras, Mafalda!

    Não fosse as adversidades da limpeza e da maquina da loiça e tinha enorme vontade de, também, questionar o nome desse hotel. Tem, efetivamente, um espaço exterior maravilhoso.
    Também estive no Algarve, apesar de ficar longíquo, mas vale muito pela tranquilidade do ambiente de lá. O mar é agradável, há menos vento, a água é mais morninha e sabe tão bem!!!

    O Lucas e a Letícia devem estar uns amores!

    Obrigada pela partilha, é muito doce!

    ResponderEliminar
  6. Que delícia!!! Uma sensação maravilhosa ler tuas palavras, ver as fotos! Obrigada por essa postagem. Estou precisando de férias também, não do trabalho pois estou desempregada, só dos problemas mesmo. Estar assim, com a natureza. Da última vez que viajei vi o por do sol num mirante, o sol descendo por trás do mar. Lindo... completamente lindo. As férias tem que ser isso mesmo, tempo de pensar, curtir e relaxar. Seu blog é mesmo um manual da felicidade!

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails